12 de ago de 2009

Meu coração não quer viver batendo devagar


Foi assim que me viu Uma cor sem graça. Me vestiu, me despiu. Me fez ouro e prata. Um amor que me arrancou pela raiz e me brotou. Ai, me fez florir. Foi um breve temporal, inundou meu corpo. Foi um dócil animal, lúcido e louco. Me fez ver assombração. Escreveu meu coração. Ai, me fez canção. (refrão) Há quem diga que é o meu fim, Eu prefiro a vida assim. Há quem peça pra eu não me apressar. Mais meu coração não quer viver batendo devagar. Meu coração não quer viver batendo devagar. (Iaraiê, Iaraiê, Iaraiê, ila...) Então foi assim, que me vi tonta de vontade. O amor transgrediu a invencibilidade. Copiou suavemente, nocateou a minha mente. Ai, me fez nascente. (refrão) Há quem diga que é o meu fim, Eu prefiro a vida assim. Há quem peça pra eu não me apressar. Mais meu coração não quer viver batendo devagar. Meu coração não quer viver batendo devagar. Leva pro seu mundo, teu segundo, teu escuro. Levo tudo, eu me mudo, vou me aprisionar. Me leva pro seu mundo, teu segundo, teu escuro. Levo tudo, eu me mudo, vou me aprisionar. Mais meu coração não quer viver batendo devagar. Meu coração não quer viver batendo devagar. (2x) Meu coração não quer...devagar!
Isabella Taviani

Nenhum comentário:

Postar um comentário